Município de Alenquer

Freguesia de Ota

Canhão Cársico de Ota
Canhão Cársico de Ota

Já era freguesia em 1259, do termo de Alenquer. Foi curato anexo à freguesia de São Pedro de Alenquer. No princípio do século XIX foi-lhe integrada parte da freguesia de Paul de Ota, então extinta pelo insignificante número de fogos que a compunham. É a mais extensa freguesia do concelho.
Crê-se que o topónimo Ota deriva do árabe (uata) e quer dizer sítio baixo. De facto, tratava-se de um vasto campo alagadiço, o Paul da Ota, aquele que D. Sancho I doou, em 1189, ou 1193, ao convento de Alcobaça, doação confirmada em 1195 por Celestino III. Aqui realizaram os monges as primeiras obras de arroteamento e drenagem realizadas no país, que posteriormente aplicaram nos coutos de Alcobaça. O paul da Ota será coutado, em 1486, por D. João II.

A vasta propriedade que pertenceu aos frades cistercienses, passou mais tarde a ser explorada indiretamente.

A Quinta de Ota, certamente parte dessa antiga granja, estava, na segunda metade do século XV na posse de Pedro Afonso e era foreira ao Mosteiro de Odivelas. Em 1499 foi este prazo vendido a Rui de Figueiredo, escrivão da fazenda e fidalgo da Casa Real. Aqui se fundou, em 1524, um morgado, que no século XIX era administrado pelos condes de Belmonte (Figueiredo Cabral da Câmara), descendentes de Rui de Figueiredo.

Conta a tradição que o Marquês de Pombal, na sua ida para o desterro, esteve alguns meses hospedado na Quinta de Ota; e que a rainha D. Maria II, hóspede também dos senhores de Ota pelo tempo da cólera, aqui estabeleceu o seu ministério. Esta região foi, no entanto, habitada desde tempos pré-históricos, conforme comprovaram algumas descobertas arqueológicas aqui realizadas pelo geólogo Carlos Ribeiro, entre 1864 e 1885. Também Hipólito Cabaço, em 1932, localiza a importante estação arqueológica que é o Castro da Ota, onde recolheu muitos materiais dos períodos Eneolítico, Bronze, Ferro e Romano.

Armas e Bandeira: Escudo vermelho, uma banda de duas tiras enxaquetada de vermelho e prata e perfilada de ouro, acompanhada no topo de uma pomba de prata, bicada e aureolada de ouro e, em baixo e do lado oposto, de duas fontes heráldicas, alinhadas em banda. Coroa mural de três torres de prata e listel branco com a legenda “Ota”, a negro. A bandeira é amarela, cordão e borlas de ouro e vermelho, haste e lança douradas.

Área: 46 km²
Lugares: Ota, Aldeia, Paços, Base Aérea

Voltar ao topo