Município de Alenquer

Espaço Memória Palmira Bastos

"Nenhuma outra atriz portuguesa, por tão largo tempo, foi primeira figura e há de ser ainda. Não é uma relíquia apenas: é uma realidade sempre viva da Arte de Portugal" in O Século, 1960

Reedificada pela antiga Junta de Freguesia de Aldeia Gavinha, na casa onde nasceu Palmira Bastos, foi inaugurada em 2000 a sua casa-museu, tendo expostas peças particulares, vestuário e fotografias da atriz, que possibilitam o contacto com o seu percurso de vida.

A ATRIZ

Maria da Conceição Martinez de Sousa (Palmira Bastos), atriz de teatro portuguesa, nasceu em 30 de maio de 1875, em Aldeia Gavinha, Alenquer.

Filha de artistas espanhóis ligados a uma companhia de teatro ambulante, pouco tempo depois do seu nascimento, com o afastamento do pai e já desfeito o grupo de teatro, a mãe ficou sem meios de subsistência e com três filhos para criar.

Foi, então, trabalhar para Lisboa. Durante o dia numa modista é à noite como corista nos teatros Trindade e depois no Teatro da Rua dos Condes. A filha mais nova acompanhava a mãe, recriando nas suas brincadeiras aquilo a que assistia nos espetáculos.

Palmira Bastos viria a subir ao palco pela primeira vez aos 15 anos, no teatro da Rua dos Condes, na peça “O Reino das Mulheres”. Seguiu-se uma carreira de sucesso ininterrupta, representando drama, comédia, opereta e revista.

O nome que a atriz adota uma homenagem a sua mãe, que usava o nome artístico de Palmira Rey.

Casou em 1894 com o empresário teatral António Sousa Bastos. Viúva em 1911, casou, segunda vez, com o ator cantor Almeida Cruz.

Em setembro de 1962 a população de Aldeia Gavinha recebeu festivamente a atriz, descerrando na casa onde nascera uma placa alusiva a esse facto.

Atuou pela última vez em 1966 na peça O Ciclone.

Muitas homenagens, prémios e condecorações portuguesas e estrangeiras lhe foram concedidas. Em maio de 1965, no dia do seu 90º aniversário e de 75 anos de carreira, é alvo de uma calorosa homenagem nacional.

Faleceu a 10 de maio de 1967.

CONTACTOS E HORÁRIO

Morada: Largo Palmira Bastos, n.º 1
2580 Aldeia Gavinha
Tel.: 263 760 401
Fax: 263 760 403
E-mail: ufgalega.gavinha@sapo.pt
Horário: de segunda a sexta-feira, das 10h às 12h e das 14h às 15h30
Como chegar: Em Aldeia Gavinha, seguir as indicações para a junta de freguesia. O museu está integrado no edifício da mesma.

Voltar ao topo