Município de Alenquer

Museu do Vinho

A funcionar desde abril de 2006, o Museu do Vinho expõe, dá a provar e permite a aquisição dos melhores vinhos da região. Cerca de 20 produtores da Associação das Rotas dos Vinhos de Lisboa estão representados.

O edifício do século XIX que acolhe a mostra tem também patente uma exposição relativa à evolução das técnicas e instrumentos associados à produção vitivinícola, um auditório e espaço para provas e concursos.

Instituindo-se como um portal de entrada das Rotas dos Vinhos de Lisboa, o museu promove os percursos: “Linhas de Torres”, “Óbidos” e “Quintas de Alenquer”. A entrada é gratuita, estando as provas de vinhos realizadas, ali ou durante as visitas às quintas (organizadas através de marcação prévia), sujeitas aos valores estipulados.

Situado no Bairro do Areal, bairro que viu nascer o ilustre Damião de Góis, o Museu do Vinho de Alenquer ocupa um edifício datado de 1811. O Real Celeiro Público de Alenquer foi erigido com a natureza de montepio agrário na sequência da publicação da carta régia de 26 de Julho de 1811, que, com o fim de atenuar os efeitos devastadores das invasões francesas, preceituava, entre muitas outras medidas, a distribuição de sementes aos lavradores no sentido de se poder restabelecer a produção cerealífera. O Real Celeiro esteve ativo mais de sessenta anos, entre 1812 e 1873, mas, e citando Guilherme Henriques, “morreu, como todas as boas instituições, aniquilado pelos abusos”.

A Câmara Municipal é hoje detentora do arquivo do antigo Celeiro, que, não sendo muito volumoso, nos permite, no entanto, reconstituir quase toda a história desta importante instituição local do século XIX. Mandado reconstruir pelo Município de Alenquer em 2002, abriu as suas portas como Museu do Vinho e sede da Rotas dos Vinhos de Lisboa em 2006. Viu o seu interior remodelado e o seu projeto de museologia renovado em final de 2018, tendo reaberto as suas portas aos visitantes em fevereiro de 2019.

Próximos do edifício estão vários sítios de interesse histórico. A Torre da Couraça, sob a qual brotava uma das mais importantes nascentes da vila, a Real Fábrica do Papel (hoje Moagem sem funcionamento) e o novo Museu Damião de Góis e das Vítimas da Inquisição são três deles.

 

O MUSEU

No rés-do-chão do Museu estão representados os cerca de 40 produtores do concelho, quer fisicamente pelas suas referências mais conhecidas, quer digitalmente por um conjunto variado de informação dos seus espaços. É igualmente feita uma justa homenagem ao alenquerense Visconde de Chanceleiros, ilustre personalidade do nosso país, que desempenhou um papel fundamental no combate à filoxera, praga que dizimou por completo as vinhas em Portugal no longínquo século XIX. O espaço está ainda dotado de um simples Wine Bar, que permite a realização de provas e cursos de vinho a visitantes ocasionais e grupos organizados.

No 1.º andar do Museu estão patentes duas exposições distintas. Está patente uma exposição etnográfica relativa à evolução das técnicas e instrumentos associados à produção vitivinícola no nosso concelho que tem várias dezenas de peças expostas, propriedade do Município de Alenquer, da coleção etnográfica do Rancho Folclórico de Alenquer, da Cooperativa Agrícola de Alenquer e da União das Cooperativas Agrícolas do Ribatejo e Oeste.

Está igualmente patente a exposição “Grape Land: uma viagem através da identidade do vinho”, uma mostra centrada no património comum da vinha e do vinho, proveniente da relação do Homem com o seu território durante milénios, e que expressa a sua identidade no conhecimento, saberes, técnicas e crenças ligadas à cultura da vinha e produção do vinho. A exposição faz ainda uma retrospetiva cronológica das cidades europeias que, a par de Alenquer, ostentaram o galardão de Cidade Europeia do Vinho.

CONTACTOS E HORÁRIO

Morada: Largo Dr. Teófilo Braga
2580-342 Alenquer
Tel.: 263 711 544
E-mail: museudovinho@cm-alenquer.pt
Horário: terça-feira a sábado das 10h às 13h e das 14h às 18h; domingo por marcação

Voltar ao topo