Município de Alenquer

Museu do Presépio

MUSEU

Situado em pleno centro histórico de Alenquer, o Museu do Presépio veio consubstanciar o conceito “Alenquer, Presépio de Portugal”, que o espírito poético consagrou há muito. Dotado de dois núcleos expositivos, um que apresenta conteúdos históricos subjacentes ao tema e alguns exemplares de presépios de vários períodos da nossa história e de vários pontos do país, constituindo uma exposição permanente; e outro, de projeção de documentários alusivos à história e à ligação de Alenquer ao Presépio. Dispõe também de uma sala multifuncional que proporciona uma oferta com uma componente educativa, mais dirigida ao público infantil, a par de uma agradável área exterior que permite a realização de diversos eventos ocasionais.

Na sua exposição permanente encontram-se os conteúdos históricos que abraçam este conceito, como “Presépio, Franciscanos e Alenquer”, “O Presépio da Carnota: o mais antigo conhecido”, Alenquer, o “Presépio de Portugal”, “As Cheias de 1967”, “O Presépio Monumental em Alenquer” e “Reis Magos: O Pintar e o Cantar dos Reis em Alenquer”.

São diversos os exemplares de presépios expostos, de forma rotativa ao longo do ano, todos eles verdadeiras peças de arte criadas pelas mãos de artistas, num horizonte temporal que vem desde o século XVI até aos dias de hoje, procedentes de distintas áreas geográficas de norte a sul do país.

 

EDIFÍCIO

O edifício da antiga Aula do Conde de Ferreira, cuja construção se iniciou em 1871, foi inaugurado no ano seguinte. Trata-se da primeira edificação entre as 120 escolas de instrução pública instituídas por testamento do Conde de Ferreira (1782-1866), feito no Porto em 1866.

A construção da Aula do Conde de Ferreira fez-se exatamente no local onde antes se encontrava a Igreja de Santo Estêvão, matriz da vila, e obrigou à total demolição desta.

Apontada como a mais antiga de Alenquer, esta igreja teria sido, segundo a tradição, erigida por D. Afonso Henriques sobre as ruínas de uma mesquita muçulmana.

Só nos primeiros anos da década de 1970 o edifício da antiga Aula deixou de servir como estabelecimento de ensino, tendo neste local sido aberto ao público, em 1975, o Museu Municipal Hipólito Cabaço, transferido, quatro décadas mais tarde, para a Casa da Torre.

No âmbito dos trabalhos de remodelação do edifício foi realizado acompanhamento arqueológico, tendo-se confirmado a existência de níveis e de estruturas arqueológicas associadas à antiga Igreja de Santo Estêvão.

Os materiais arqueológicos identificados e recolhidos são pouco expressivos: fragmentos de elementos arquitetónicos e fragmentos de azulejos pintados a azul e amarelo do século XVII; escassas cerâmicas vidradas e faianças balizáveis entre os séculos XVIII e XIX/XX; ossos humanos, confirmando a existência do cemitério paroquial.

As estruturas identificadas nas áreas intervencionadas arqueologicamente foram registadas, cobertas com manta de geotêxtil e posteriormente seladas.

 

O PRESÉPIO EM ALENQUER

Criado por São Francisco de Assis, a difusão do Presépio foi inicialmente feita pelos franciscanos e foi precisamente em Alenquer, onde estas Ordens foram primeiramente acolhidas no princípio do século XIII, que se instalou o primeiro Convento Franciscano de Portugal. Porém, não foi por essa razão que Alenquer ficou conhecida por «Vila Presépio» ou «Presépio de Portugal».

No que Alenquer se assemelha a um presépio é na sua morfologia, na sua disposição em encosta, e na forma como a ela se adaptou e cresceu, desde o outeiro do castelo até ao rio, nos verdes das matas e quintais e nos brancos das casas, nas calçadas e caminhos que anarquicamente se entrecruzam.

A criação do Presépio Monumental, que se estreou na encosta da vila no Natal de 1968, teve na sua origem as trágicas cheias de novembro de 1967, e serviu para perpetuar o espírito de solidariedade, de unidade e de amor vivido pela comunidade naqueles momentos trágicos.

Foi concebido pelo pintor e ilustrador Álvaro Duarte de Almeida, ao gosto dos presépios tradicionais portugueses, com cerca de vinte peças, as maiores com cerca de seis metros, a mais pequena com quase um metro e meio de altura, inspiradas na figuração da pintura portuguesa dos séculos XVI e XVII. Se Alenquer já era antes a «Vila Presépio de Portugal», o Presépio Monumental veio definitivamente consolidar esta ideia.

Os Reis encerram o ciclo do Natal. Na Península Ibérica o Dia de Reis começa a ser celebrado devido à chegada dos Frades Franciscanos e Dominicanos, o que sublinha a importância de Alenquer na difusão desta celebração. São visitas de Boas Festas. Mas em Alenquer, antes de se cantarem, pintam-se, e é aqui que reside a verdadeira originalidade.

 

CONTACTOS E HORÁRIO

Morada: Rua Maria Milne Carmo, n.º 2

2580-319 Alenquer

Tel.: 263 248 012 / 927 058 260

E-mail: museudopresepio@cm-alenquer.pt

Horário: de terça-feira a sábado das 10h às 13h e das 14h às 18h; domingo por marcação.

Voltar ao topo