Município de Alenquer

Alma do Vinho 2022: um regresso para mais tarde recordar

18/11/2022

Maior festival de vinhos de Lisboa trouxe milhares a Alenquer

Após dois anos de interregno, o Festival Alma do Vinho regressou em grande estilo a Alenquer, com uma quarta edição, a de regresso, repleta de surpresas e novidades.

De 15 a 18 de setembro, todos os caminhos foram dar à vila alenquerense, graças a um evento que foi ao encontro de todos os amantes de vinho, mas também da restante família, com atividades que serviram praticamente todos os gostos e idades.

Quando se assinalam dois meses sobre o final do evento, os números apurados confirmam um cenário animador. No total dos quatro dias, foram registados 35 mil acessos ao recinto, provenientes de visitantes de vários pontos do país, mas também de países como Brasil, Espanha, Irlanda, França, África do Sul e Estados Unidos da América, confirmando a aposta do município neste evento, assente numa lógica de promoção territorial.

Para isso, muito contribuíram as diversas atividades do programa para este ano, que incluiu quase uma centena de expositores, provas comentadas, showcookings, conversas com vinho, animação musical, espetáculos para crianças, recriações etnográficas da adiafa, entre outros. Nota para as provas premium, uma das novidades desta edição, que, apesar de pagas, tiveram uma adesão igualmente positiva.

O Parque Urbano da Romeira voltou a encher-se de pessoas, ansiosas por um festival que deixara tantas boas recordações no passado. O ambiente voltou a surpreender pela positiva, uma vez mais, numa junção quase perfeita entre natureza, música e vinho, o grande protagonista do festival, com mais de 300 referências para prova gratuita.

Estiveram presentes 48 produtores, de forma direta e indireta, distribuídos pelos stands no recinto, numa mostra da qualidade de excelência da indústria vitivinícola alenquerense, que é motor de desenvolvimento do concelho desde tempos ancestrais. O balanço final indica que foram abertas aproximadamente 4000 garrafas, no total dos quatro dias.

O festival teve como uma das novidades a promoção de um dia profissional, uma espécie de antecâmara do evento que decorreu no dia 14 de setembro e que juntou diversos players do setor, desde agentes turísticos, winelovers, jornalistas ou influenciadores.

O programa para estes agentes foi pensado numa lógica de dar a conhecer o que de melhor tem o território para oferecer, com especial foco no vinho, como não podia deixar de ser, ou não fosse a região de Lisboa um dos principais exportadores de vinho do país e o concelho de Alenquer um dos mais premiados, tanto a nível nacional, como internacional.

O leque de iniciativas contemplou momentos de networking com agentes económicos e turísticos locais, visitas a quintas produtoras, provas de vinho e provas gastronómicas ou ainda refeições acompanhadas de vinhos da região.

Quanto ao cartaz musical, foi o melhor de sempre, com Xutos & Pontapés, Fernando Daniel, Vitor Kley e Luís Trigacheiro, que trouxeram verdadeiras multidões ao recinto do festival.

No evento, estiveram presentes vários ilustres, tais como o Secretário de Estado da Administração Local e Ordenamento do Território, Carlos Miguel, o presidente da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, parceira da iniciativa, Francisco Toscano Rico, o presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Pedro Folgado, e o restante executivo.

“A Alma do Vinho é uma referência de excelência, pelo vinho e pela envolvência. Evoluiu muito bem noutras componentes como as provas, workshops, culinária ou animação. Tem um lado educativo e recreativo e é nessa conjugação que vive, dando a oportunidade de usufruir de bons vinhos da região e de Alenquer. Este festival ajuda muito a afirmar e a projetar uma qualidade que ainda não é reconhecida largamente. Hoje, provar um vinho de Alenquer é provar um dos melhores vinhos do país”, afirma Carlos Miguel.

Já Pedro Folgado sublinhou a importância da aposta do município na dinamização do festival.

“É um evento muito importante, tal como é esta atividade económica, tanto para o concelho, como para toda a região. Faz sentido esta Alma do Vinho, porque vamos mais longe. Não é apenas o vinho, mas aquilo que nos faz sentir e que perdura no tempo. É um evento que já anda nas bocas do mundo, muito falado aqui na região. Agora é trabalhar para que ele tenha uma dimensão nacional e quiçá internacional. Há um longo caminho pela frente, de consolidação, mas estamos a crescer e é por aqui que temos de ir”, sublinha o autarca.

Também Rui Costa, vereador com o pelouro da cultura e turismo, não escondeu a satisfação pelo sucesso de mais uma edição do festival alenquerense.

“Houve uma enorme adesão de público, que teve um comportamento exemplar ao longo do festival. O nível de satisfação ficou bem expresso, não só pela organização, mas também pela qualidade e diversidade de todas as experiências vínicas que colocámos à disposição dos visitantes, que se revelaram uma aposta ganha e diferenciadora, face a outras iniciativas do género. Esta quarta edição veio consolidar definitivamente este projeto e dar-lhe a sustentabilidade para o futuro, aos mais diversos níveis”, refere o vereador.

Um regresso para mais tarde recordar. Alenquer voltou a ter Alma do Vinho e a dar mostras de que o festival tem ainda muita margem para crescer e assumir-se como referência.

Os vinhos são de excelência e com um reconhecimento crescente, o ambiente inesquecível, as memórias muitas. Foi mais um Alma do Vinho. Até para o ano!

Voltar ao topo